Rádio Macnarama #8

Demorou, mas nasceu: clique no botão Rádio na coluna à direita, assine e baixe o programas número 8 da nossa Rádio Macnarama. Marco Andrei, Fabiano Jorge e Hélio Paz comentam as novidades da Macworld Expo San Francisco 2006, o principal evento anual da Apple para o seu público de usuários e fãs.

O convidado Roberto Drebes dá uma verdadeira aula sobre performance de processadores – mais especificamente destrinchando o novo cérebro de nossos Macs, o Intel Core Duo.

Participação especial do editor da Macmania, a única revista voltada ao Macintosh do Brasil, inaugurando uma nova etapa na produção do programa, falando via iChat diretamente da Paulicéia Desvairada.

Assine nosso podcast indicando o seguinte URL no seu iTunes: http://www.macnarama.com/radiomacnarama.xml.
(Outros softwares de podcasting podem ser utilizados!)

Helio Sassen Paz

Digital Lifestyle. Cyberculture. Post-Modernism. Information Society. Graphic User Interface. Apple. Virtual Communities. Grêmio FBPA. Arts. Music. Movies.

2 comentários em “Rádio Macnarama #8

  • 27 de fevereiro de 2006 em 23:56
    Permalink

    Salve Mac Amigos,

    Um de vocês falou da palavra “empowering” que não teria similar em português, mas tem. Em português tem se usado o termo… empoderamento, muito comum na fala do pessoal de ONGs e do movimento social.

    O programa está legal. O número 8 foi o primeiro que ouvi e vou continuar acompanhando.

    Abraços,
    Márcio
    Teresina, PI

  • 25 de fevereiro de 2006 em 18:47
    Permalink

    Um monte de comentários fora de ordem:

    * Sobre segurança no MacOS X: Não é muito diferente do Linux. Se você digitar “sudo -s” e colocar a sua senha no terminal, dá até pra ganhar privilégios de root (e apagar arquivos bloqueados na gui, desde que você seja admin 😉 ). Ai embaixo tem um guia bem legal sobre OSX seguro:

    http://www.macgeekery.com/tips/security/basic_mac_os_x_security

    * Tem mais! Aquele Trojan (Troiano – Cavalo de Tróia – presente de Grego) só afeta mesmo usuários descuidados;

    * O “Duo Core” e o chipset do MacIntel são iguais os de PC. E driver para os periféricos é só uma questão de tempo. (Quem é heavyuser de software livre sabe disso);

    * Quando se fala em usar o MacOS X num PC, é claro que é num hardware escolhido a dedo. Mas em tese seria possível montar um super-iMac, com um P4 670, 4 GB de ram, 2x500GB de HD e uma placa de video bem superior a X1600 (que já é uma baita placa de 800 reais);

    * O MacMini não é entojo da Apple. Na verdade dificilmente eles teriam estoque para garantir um novo projeto;

    * A IBM usa um 3-Core PowerPC no X-Box 360. O PS3 da Sony vai usar um IBM Cell com um Core baseado no G5 e 7 Cores geométricos com grande poder de processamento.

    A Apple acaba sendo um cliente pequeno da IBM e desenvolver novas tecnologias com exclusividade pra Apple não sai barato.

    O que a Apple está fazendo migrando para Intel é garantir que sempre tera alguém desenvolvendo processadores para ela, mesmo não sendo exclusivos – isso faz muito mais sentido que qualquer outra explicação, e é por isso que nunca existiu um G5 pra portáteis (seria muito caro pra IBM).

    * Exite uma versão comercial do Wine para jogos, chamada Cedega. Um Cedega para MacIntel poderia transformar o Mac num video-game de luxo “mesmo”. Já que nos programas de virtualização é costume uma grande limitação no uso dos recursos de vídeo – o que acaba com o desempenho dos joguinhos;

    * Vocês já viram o pages.google.com ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *