Como fazer para um SuperDrive funcionar em Macs que já têm uma unidade de CD/DVD

Todo mundo sabe que “SuperDrive” é o nome que a Apple deu ao gravador de CD/DVD externo que oferece suporte aos antigos discos para os Macs de 2013 em diante, que já não tinham mais leitores ópticos.

Porém, há outros casos em que o SuperDrive pode ser útil, principalmente para quem colocou um segundo HD no espaço onde estava a unidade de CD/DVD. Neste caso, entretanto, há um pequeno incômodo: a Apple diz que o SuperDrive “não é compatível com Macs que tenham um drive óptico integrado”. Donos de Macs antigos que tenham um DVD estragado não poderiam usar a unidade externa, então, o que convenhamos é totalmente sem sentido.

Felizmente há um macete que permite que se use o SuperDrive em qualquer Mac, sem nenhum problema, como vemos a seguir.

Só fica o alerta que é uma técnica um pouco avançada, que requer lidar com o Terminal. Então, prossegue por tua própria conta e risco.

Como usar um SuperDrive em Macs “não-suportados”

ATENÇÃO! ANTES DE COMEÇAR, FAZ UM BECAPE de tudo. (Sempre é bom lembrar!)

  1. |Abre o Terminal (que está em /Aplicativos/Utilitários).
  2. Escreve exatamente o texto a seguir na linha de comando:
    sudo nvram boot-args = "mbasd = 1"
  3. Tecla [Return] e digita a tua senha de administrador quando solicitado.
  4. Encerra o Terminal.
  5. Desliga o Mac.
  6. Conecta o SuperDrive com o Mac desligado.
  7. Liga o Mac novamente.

FEITO! O SuperDrive deve funcionar corretamente.

Se quiseres voltar ou se o procedimento não funcionar e quiseres reverter para os ajustes de fábrica, basta redefinir a PRAM/NVRAM: desligue o Mac e ligue novamente, mantendo pressionando [Command]+[Option]+P+R até ouvir o acorde inicial.

Esta dica funcionou pra ti? Deixa teu comentário aqui embaixo!

Autor: Marco Andrei Kichalowsky

Editor-chefe do macnarama.com, é applemaníaco e trabalha com produtos Apple desde 1993. Foi presidente do Brasil Apple Clube durante 10 anos e colaborador da saudosa Macmania e sua herdeira MAC+ até o fim da revista em 2015.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *