Depois de anos de mesmice, Apple lança novo Mac mini

Após uma espera de quatro anos (a última atualização foi em 2014), a Apple finalmente resolveu revisar o Mac mini, o pequeno polegar de sua linha de computadores pessoais, prometendo até 5 vezes mais desempenho em relação à geração anterior.

O novo modelo vem em gabinete de elegante cor escura (chamado de “Cinza Espacial” pela Apple), feito de materiais totalmente reciclados e traz o estado-da-arte nas tecnologias que a empresa já adicionou a outros modelos.

O coração do Mac agora é um Intel de oitava geração com quatro ou seis núcleos e memória DDR4 2666 MHz, começando de 8GB e podendo ser atualizada para até 64GB pelo próprio usuário.

Falando em vídeo e gráficos, a solução continua sendo o chip integrado (Intel UHD Graphics 630, nada especial para os jogadores), mas a Apple promete 60% de ganho em velocidade.

Painel traseiro do Mac mini (final de 2018). Créditos: Apple

O armazenamento finalmente é um SSD de até 2TB e o modelo recebeu portas Thunderbolt 3 (conector USB-C) e HDMI 2.0, além de manter portas USB 3. As conexões sem fios WiFi e Bluetooth estão presentes em suas versões mais atualizadas e a Ethernet pode ser a última versão de 10 GB (opcional).

Os preços não são tão diferentes se falamos em dólares: a configuração inicial inclui um Intel Core i3 quad-core, 8 GB de RAM, 128 GB de SSD e custará US$ 799 (cerca de R$ 3 mil). Mas falando em Brasil, os valores são desanimadores: o Core i3, com 8 GB e 128 GB SSD vem por R$ 6.999 e o Core i5, com 8 GB e 256 GB SSD chega a quase 10 mil.

Para os pouco abonados, talvez a solução continue sendo aquela recauchutada em seu Mac velhusco.


Autor: Marco Andrei Kichalowsky

Editor-chefe do macnarama.com, é applemaníaco e trabalha com produtos Apple desde 1993. Foi presidente do Brasil Apple Clube durante 10 anos e colaborador da saudosa Macmania e sua herdeira MAC+ até o fim da revista em 2015.