Paul Allen, co-fundador da Microsoft, morre aos 65 anos

Paul Gardner Allen, um dos fundadores da maior empresa de software do mundo, faleceu no último dia 15, vítima de complicações de um linfoma. Foi em 1975, quando, junto com seu sócio e amigo William Gates, fundaram o que ele chamou de “Micro-Soft”, uma empresa de que tinha como objetivo produzir “software” para “microcomputadores”, termo que diferenciava na época os computadores de mesa dos imensos mainframes.

Nos primeiros anos da empresa, Allen foi o motor da Microsoft, justamente no período em que o computador pessoal passaria de uma curiosidade amadora para uma tecnologia padrão, que seria cada vez mais usada em nosso dia-a-dia.

Allen, no entanto, deixou cedo a empresa. Em 1982, descobriu que estava com câncer e saiu para tratar da doença. O tratamento teve sucesso e Allen fundou em 1986 a Vulcan, Inc., empresa que cuidaria de seus vários negócios e projetos filantrópicos. Bilionário, Allen usou sua enorme riqueza na área cultural e na área científica, com empresas dedicadas ao estudo do cérebro, das células e de inteligência artificial.

Ele também deixou sua marca em Seattle, especialmente na área esportiva, comprando o time de futebol americano Seattle Seahawks e garantindo que a equipe não sairia de sua cidade natal. Ela ainda era dono do time de basquete da NBA Portland Trailblazers e era sócio minoritário do Seattle Sounders, de futebol. 

Paul Allen e Bill Gates recriam foto de 1981. (Créditos: Reprodução/Twitter @PaulGAllen)

Falando do velho amigo, Bill Gates declarou:

A computação pessoal não existiria sem ele. (…) Ele merecia ter muito mais tempo, mas suas contribuições para o mundo de tecnologia e da filantropia viverão por gerações.

Com informações do New York Times e G1.

Autor: Marco Andrei Kichalowsky

Editor-chefe do macnarama.com, é applemaníaco e trabalha com produtos Apple desde 1993. Foi presidente do Brasil Apple Clube durante 10 anos e colaborador da saudosa Macmania e sua herdeira MAC+ até o fim da revista em 2015.